Pesquise neste blog

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Dengue diminui em 25 das 31 regiões administrativas de Brasília


 
Teste rápido detecta se paciente tem dengue em cerca de 30 minutos.
Na Fercal, redução do número de casos chegou a 85,2% desde janeiro, quando comparada ao mesmo período de 2014

(*) Dayane Oliveira

Os números de casos de dengue diminuíram em 25 das 31 regiões administrativas de Brasília, do início do ano até hoje (3), em comparação ao mesmo período de 2014. De acordo com o informativo epidemiológico da Secretaria de Saúde divulgado nesta segunda-feira, a Candangolândia, a Fercal, o Núcleo Bandeirante e o Setor de Indústria e Abastecimento (SIA) registraram a maior redução em ocorrências confirmadas.

Na Fercal, a diminuição foi de 85,2%: 304 contra 45. De acordo com a administração regional, o resultado é fruto de um trabalho em parceria com agentes comunitários de saúde e de Vigilância Ambiental. As equipes mapearam os locais mais críticos e de difícil acesso. Assim, com a ajuda de órgãos como o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) e a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), a administração pôde trabalhar no recolhimento do lixo, de entulho e na eliminação de possíveis focos da doença.

Ações de limpeza e de conscientização na Candangolândia conseguiram reduzir as incidências em 74,8%: de 119 para 30. O Núcleo Bandeirante baixou o número de casos de 105 para 38 — 53,5% a menos. No SIA, houve cinco em 2014 e nenhum desde janeiro.

A distribuição por local de residência mostra que as regiões com mais registros de dengue foram Planaltina (2.079), Gama (758) e Sobradinho II (677). Juntas, correspondem a 3.514 casos, o equivalente a 41% do contabilizado.

Em dados gerais, o boletim da Secretaria de Saúde totaliza 8.499 casos neste ano contra 11.199 em igual período de 2014 — menos 24,1%. Mortes causadas pela doença somam 18 até agora, das quais 15 de moradores de Brasília, dois de Goiás e um de Minas Gerais.

Leia também:

Como agir em caso de suspeita de dengue:


(*) Fonte: Dayane Oliveira, da Agência Brasília

Nenhum comentário: