Pesquise neste blog

Secretaria de Estado da Casa Civil - DF

quarta-feira, 5 de abril de 2017

COLUNA TEXTOS & TEXTOS por Geraldo Lima

INSÔNIA, TOSSE E TV

(*) Por Geraldo Lima


"Como nessa gente sadia, forte, alegre, tudo está equilibrado, como em suas almas e cérebros tudo está aplainado." (TCHEKHOV, Uma crise)
A noite passada foi pedreira: a sinusite, que tem me massacrado há três dias, me acometendo de uma tosse infernal, dessas que, se o sujeito passa dois dias tossindo ininterruptamente, ele definha, morre, verga sobre si mesmo até desaparecer de dor e fraqueza extrema. Creio que a coqueluche matava assim, de excesso de tosse, ou não era? Bom, pensei em driblar os ataques de tosse e acúmulo de catarro na garganta indo dormir mais cedo, às 22h, mais precisamente. Acordei em certo momento, o corpo suado e a garganta dolorida pedindo água. Imaginava já ter vencido metade da noite, mas, para minha derrota, ainda eram 23h.

Aí, sem sono e com a tosse voltando pior ainda, fui à cozinha e fiz um chá de camomila pra abrandar minha vontade desesperada de rachar a cabeça contra a parede. Pra ver se o sono voltava, resolvi assistir TV. Liguei o televisor e comecei a zapear. Invariavelmente estaciono no Arte 1. Ia ficar por ali até o sono voltar e a maldita tosse sumir. Estavam exibindo um documentário sobre o fotógrafo estadunidense David LaChapelle, que faz umas fotos bem bizarras, usando tipos extravagantes, exóticos, fora do padrão de beleza comumente aceito. Algumas das suas fotos são bem chocantes, mas o propósito dele é este mesmo: ir contra o lugar-comum da indústria de entretenimento e moda. Há quem goste, há quem deteste. As feministas costumam atacá-lo com veemência. Mas o cara tem aquela obsessão estética e aquela ousadia temática que costumam marcar os grandes artistas.

Acho que minha insônia ficou mais desperta depois de eu assistir ao documentário: aquele mundo, entre o grotesco e o sublime, me abalou. Como costumo fazer também, zapeei e fui bater no Canal Brasil. Depois de um longa nacional ruim, desses que nem a sinopse bate com o que é exibido, veio um curta bem bacana. Vi o longa ruim até o final e, para minha decepção, a insônia ainda estava lá. Na sequência, um longa de ficção, de baixo orçamento, como o anterior, e filmado em digital, dos jovens cineastas paulistas Andradina Azevedo e Dida Andrade. Os rapazes ganharam dois prêmios em Gramado, em 2013: melhor diretor e melhor fotografia. Os dois escreveram o roteiro, dirigiram e interpretaram os protagonistas. Chama-se A Bruta flor do querer. Pensa num filme bom, desses que jamais serão exibidos na Sessão da Tarde, mas que foi massacrado por parte da crítica. Feministas atacaram o suposto machismo em algumas de suas cenas; críticos execraram a metalinguagem, essa coisa do filme dentro do filme, e o coloquialismo dos diálogos, vistos como superficiais. O filme tem seus defeitos sim [o áudio às vezes é ruim], seus excessos [sexo explícito poderia ser descartado], mas daí a não enxergarem nele uma proposta arrojada de fazer cinema é dessas coisas que nos espantam. É um olhar jovem sem medo de se aventurar na estética e na temática. Acharam muito afetada a interpretação do Dida Andrade; eu gostei. De quebra, o cara nos lembra, às vezes, de certos ângulos, o cineasta baiano Glauber Rocha. Há situações que nos arrastam para dentro da angústia existencial do personagem, um desses tipos nascidos pra perder. Dói. Comove. Às vezes arranca risos. É desses filmes que exigem entrega e paciência do espectador.

Ah, e a tosse e a insônia? Às três da madruga, a tosse havia cessado; já a insônia, mesmo dando sinais de fraqueza, ainda me atormentava. Aproveitei e caí na cama. Tinha que acordar às oito da manhã para tomar o antibiótico, rigorosamente fiscalizado pela minha esposa, que sem ela eu já teria sucumbido há tempos. O bom de tudo isso é que, pra curar meu estado debilitado, ganhei café da manhã na cama. E antes que alguém veja nisso submissão dela ou machismo da minha parte, saiba que retribuo na mesma proporção de gentileza e afeto.
  
(*) Geraldo Lima (foto) é escritor, dramaturgo, roteirista e colabora com o Jornal de Sobradinho.

Nenhum comentário: